Aline de Alcântara é atualmente Segundo Trombone / Assistente de Primeiro Trombone da Filarmônica do Sul da Dinamarca, uma posição que iniciou no verão de 2019. Nascida em Pirassununga, Brasil, começou a estudar trombone aos 15 anos com seu pai Francisco de Alcântara e com o maestro Edison Penteado na Banda Marcial do Colégio São Carlos, e depois com o trombonista Fernando Hehl. Ela se formou em música pela Universidade de São Paulo em 2010, na classe do Professor Doutor Donizeti Fonseca.

Durante cinco anos, ocupou o cargo de Trombone Solo na Orquestra Sinfônica Heliópolis do Instituto Baccarelli, onde trabalhou com maestros renomados como Roberto Tibiriçá, Isaac Karabtchevsky e Zubin Mehta.

Ela trabalhou em vários musicais na cidade de São Paulo, como Evita, O Rei e Eu, e Noviça Rebelde. Em 2010, ganhou a audição de músico substituto na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). Em 2014, concluiu seu mestrado na área de Interpretação em Trombone na Haute Ecole de Musique de Lausanne (HEMU) na Suíça, na classe de Jacques Mauger.

Aline trabalhou em várias orquestras suíças, como a Orquestra de Câmara de Fribourg, a Orquestra de Câmara de Lausanne, o Festival de Ópera de Avenches, Gartenoper Langenthal (Orquestra de Ópera), Sommeroper Selzach (Orquestra de Ópera), Orquestra Sinfônica de Bienne e Orquestra Sinfônica de Bern.

Como solista, ela se apresentou com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, a Orquestra Sinfônica Heliópolis e o Collegium Musicum no Schloss Weissenstein em Pommersfelden, Alemanha. Como musicista de câmara, integrou o Quinteto de Metais Opus 5, o Trio Divines e o Low Brass Project Brasil.

PHOTO-2019-02-25-12-57-35.jpg